Madre Teresa 

(Skoplje, Albânia, 1910 – Calcutá, Índia, 1997)   

    Madre Teresa é um dos exemplos mais puros de abnegação e amor, enfrentando com coragem todas as dificuldades, e através da alegria e da total dedicação, foi a pedra fundamental para um grupo que ajudou e deu dignidade para aqueles que não tinham nada nem ninguém por eles.

    Nasceu em 26 de agosto em Skoplje na Albânia. Seu nome de nascença era Agnes Gonxha Bojaxhiu. Era a irmã mais nova de Ágata e de Lázaro, filha de Nicolau e de Rosa. Sua família pertencia à minoria albanesa que vivia no sul da antiga Iugoslávia.
 
    Pouco se sabe da sua infância, adolescência e juventude porque Madre Teresa não falava de si. Nunca morou na Albânia; foi educada numa escola estatal da atual Croácia, durante os anos da Primeira Guerra Mundial.

    Freqüentou a escola estatal não católica e ingressou na Congregação Mariana onde foi aperfeiçoando a formação cristã. Particular impressão lhe faziam as cartas que os missionários jesuítas da Índia escreviam e que eram comentadas em grupo. A miséria material e espiritual de tanta gente tocava o seu coração.  

    Aos dezoito anos, obteve o consentimento dos pais, e entrou para a Casa Mãe das Irmãs de Nossa Senhora de Loreto, em Rathfarnham, perto de Dublin (Irlanda). Ao fim de poucos meses de estadia na Irlanda, Agnes partiu para Índia, onde sonhava com o trabalho missionário junto aos pobres. Foi enviada para Darjeeling, local onde as Irmãs de Loreto possuíam um colégio. Ali fez o noviciado e no dia 24 de Maio de 1931, fez a profissão religiosa, emitiu os votos temporários de pobreza, castidade e obediência tomando o nome de TERESA. Houve na escolha deste nome uma intenção, de se parecer com TERESA DE JESUS , não com a grande santa espanhola, mas com a humilde carmelita de Lisieux que ensinou aos homens do nosso tempo o caminho da infância espiritual. De Darjeeling passou a Irmã Teresa para Calcutá, onde passou a ensinar Geografia no Colégio de Santa Maria, para as meninas filhas das melhores famílias. Entretanto, impressionava-se com a miséria que via quando saia às ruas de Calcutá.

    Em 10 de setembro de 1946, numa viagem de trem ao noviciado do Himalaia, recebe uma iluminação interior: dedicar a sua vida aos mais pobres dos pobres. Relatou da seguinte maneira:  "... Naquele trem, aos meus trinta e seis anos, percebi no meu interior uma chamada para que renunciasse a tudo e seguisse Cristo no subúrbios, a fim de servi-lo entre os mais pobres dos pobres. Compreendi que Deus desejava isso de mim..."

    O problema, assim como a sua aflição em relação ao sofrimento que assistia, não era pequeno. Ela não sabia o que poderia fazer por aqueles infelizes, mas após levar aos seus superiores a solicitação para que desse início à sua missão pela segunda vez, obteve a autorização para começar seu trabalho para viver só, fora do claustro tendo Deus como único protetor e guia, no meio dos mais pobres de Calcutá. Primeiramente, em Patna, fez um breve curso de enfermagem que julgava de imensa utilidade para a sua atividade futura e em 21 de dezembro de 1948, obteve a nacionalidade indiana. Data que reunia um grupo de cinco crianças, num bairro pobre, a quem começou a dar aulas. Dez dias depois eram cerca de cinqüenta.

    Não foi preciso muito tempo para que todos a conhecessem. A partir de 1949 passou a receber ajuda de algumas das suas antigas alunas, que desejavam seguir os passos da antiga professora. Madre Teresa relatou: “ Vinham sabendo que se tratava de algo difícil. Quando uma filha das velhas castas se coloca ao serviço dos párias, trata-se de uma revolução. A maior. A mais difícil de todas: a revolução do amor!”. A Congregação de Madre Teresa, Missionárias da Caridade,oi aprovada pela Santa Sé em 7 de outubro de 1950. 

    Em agosto de 1952, abriu o lar infantil Sishi Bavan (Casa da Esperança) e inaugurou o seu famoso "Lar para Moribundos", em Kalighat. A partir dessa data, a sua Congregação começou a expandir-se pela Índia e por todo o mundo. Na Índia, principiou por Ranchi e continuou depois por Nova Delhi e Bombaim.

   

   A obra de Madre Teresa cresceu rapidamente. Não trazia esquemas pré-fabricados. O ritmo e as iniciativas eram marcadas pelo inesperado de cada dia. Muito preocupada com a sorte dos que morriam todos os dias pelas ruas de Calcutá sem ninguém para lhes prestar assistência, Madre Teresa pediu um lugar às autoridades um local para cuidar dessas pessoas. Deram-lhe, então, duas grandes salas de um edifício contíguo ao templo da deusa Kali. Chamou-lhe "Casa do Moribundo." Os bonzos não gostaram da entrega de uma dependência sagrada a uma mulher católica, consideraram-na uma profanação. Entretanto, pouco a pouco, tornaram-se seus amigos.  

 

    Em 01 de fevereiro de 1965, a ordem é aprovada pela Santa sé; e, com a proteção da aprovação pontifícia, estende-se por toda a Índia. Ainda em 1965, funda no dia 26 de Julho a sua primeira casa na América Latina, concretamente na Venezuela, na Arquidiocese de Barquisimeto, em 1967, abre outra em Roma, por desejo expresso de Paulo VI; mais adiante, João Paulo II dar-lhe-á de presente uma casa dentro do próprio Vaticano. A partir de agosto de 1968, a Congregação estende-se por outras regiões: Ceilão, Itália, Austrália, Bangladesh, Ilhas Maurícias, Peru, Canadá, etc. Em dezembro de 1970, As Missionárias da Caridade abrem a sua primeira casa em Londres. Em 1973, abre uma casa em gaza, na Palestina, para atender os refugiados.  Em 15 de junho de 1976, precisamente em Nova York, que era, no entender dela, o lugar mais necessitado de oração, funda o ramo contemplativo das Missionárias da Caridade. E em dezembro de 1976, inaugura centros de assistência no México e Guatemala.

 

    Recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 17 de Outubro de 1979. Foi nomeada "Cidadã Ilustre" em sua cidade natal. Muitas universidades lhe conferiram o título "Honoris Causa". E ainda em 1980, recebeu a Ordem "Distinguished Public Service Award" nos EUA. Em 1981, inaugurou em Berlim oriental a primeira das suas fundações em países submetidos ao marxismo. Anos mais tarde, foi recebida por Mikhail Gorbachov e abre uma casa na Rússia. E o mesmo fará em Cuba. Em 1985, recebeu do Presidente Reagan, na Casa Branca, a Medalha presidencial da Liberdade, a mais alta condecoração do país mais poderoso da terra . Em agosto de 1987, vai à União Soviética e é condecorada com a Medalha de ouro do Comitê soviético da Paz. Em agosto de 1989, realizou um dos seus sonhos: abrir uma casa na sua Albânia natal, um dos países mais pobres, injustos e atrasados do planeta.

 

    No dia 05 de setembro de 1997, não resistiu ao terceiro ataque do coração. Uma fila de quilômetros formou-se durante dias a fio, diante da igreja de São Tomé, em Calcutá, onde o seu corpo estava sendo velado. O mesmo veículo que, em 1948, transportara o corpo do Mahatma Gandhi foi utilizado para realizar o cortejo fúnebre da Mãe dos pobres.