Jesus

  (0 – 33 d.c.

    Mestre messiânico judeu, fundador do Cristianismo. Os fiéis de Jesus (latinização do nome hebraico Joshua ou Yeshua) acreditam que ele é o Cristo ou o Messias profetizado nas escrituras judaicas, o “ungido” que fundará o reino de Deus na Terra. No Islã ele é considerado profeta, que só perde em importância para Maomé. O pouco que se sabe da vida e do mistério de Jesus está contido nos livros do Novo Testamento, especialmente nos quatro Evangelhos, que foram escritos pelo menos uma geração após sua morte. Jesus foi um dos muitos oradores da Judéia ocupada pelos romanos e afirmava ou proclamava ser ele o Messias e oferecia esperança de libertação da repressão e da corrupção espiritual que muitos judeus acreditavam haver assolado a nação. Sua missão terrena durou provavelmente três anos, tendo começado quando seu primo, João Batista, o batizou no rio Jordão, e terminou com sua prisão e crucificação pelas autoridades romanas.

Jesus ganhou fama de agitador por se misturar com os pobres e os parias e de radical, por ter rompido com a tradição religiosa, para dar ênfase a uma nova ordem, em detrimento da rígida observância da Lei Mosaica.

Os relatos do Evangelho criam um perfil de Jesus como mestre carismático e convincente, que lançava mão de parábolas, atos exemplares e milagres para convidar as pessoas ao arrependimento e a mudar de vida. A essência de suas pregações resume-se no mandamento “Amar a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo”. Seus discípulos deviam praticar a abnegação e a caridade, desfazer-se dos bens materiais, agir com amor e misericórdia incondicionais para com o próximo e renunciar a violência. Jesus pregava o Evangelho entre os “pecadores”, os gentios, os judeus não-praticantes e os parias.

Os discípulos acreditavam que a paixão e morte de Jesus foram a realização da profecia. Por meio da crucificação, segundo eles, Jesus tornou-se o sacrifício que resgataria as almas da humanidade para sempre, garantindo-lhes a salvação. Com a ressurreição dois dias depois, revelou ser o Cristo e demonstrou o triunfo da vida sobre a morte, que sua vinda simbolizara. Jesus não fazia declarações diretas de ser o Messias durante sua missão, mas diz-se que apareceu aos seus discípulos após a ressurreição, para lhes dizer que voltaria para anunciar o reino de Deus. No século seguinte à sua morte, os ensinamentos de Jesus se espalharam por todo mundo romano, por intermédio dos apóstolos, mais notavelmente São Paulo, cujas epístolas evangélicas geraram a teologia dos primórdios do cristianismo.

Os espiritualistas acreditam ser Jesus a encarnação de um Grande Mestre, um dos  responsáveis pela administração cósmica do planeta Terra, enquanto morada de almas em processo de evolução.